Data source

Date

Thumbnail

Search results

23,213 records were found.

Contém relatórios das conversações da 16ª e 17ª reuniões.
Contém relato da 19ª reunião.
Contém notas sobre a visita do ministro da Defesa nacional à Alemanha, reunião em Bonn, memorial sobre o prazo de utilização das facilidades concedidas às FARFA em Portugal.
Contém acordos entre Portugal e RFA; reconhecimento de zona para instalação de depósito; relatório das interferências do ministério dos negócios estrangeiros da RFA nos fornecimentos de material de guerra a Portugal, planta da estrada de acesso às instalações militares da península de Tróia.
Fundo constituído por processos relativos às informações militares no período da guerra do ultramar e processos NATO, com destaque para os Serviços de Informações Militares, correspondência com os ministérios e adidos militares, informações transmitidas por diversos informadores, relatórios de informações dos comandos militares de Cabo Verde, Guiné, Angola, Moçambique, Timor e Macau, nos quais se incluem PERINTREPS, INTSUM, INTREPS, SUPINTREPS, SITREPS, estudos de situação, reuniões de comandos e dos Serviços de Centralização e Coordenação de Informações (SCCI), informações sobre os movimentos de libertação e sobre a situação política e militar internacional em geral e dos países africanos em particular.
Fundo constituído por documentação com forte incidência na temática da defesa nacional e com muito interesse para a história política de Portugal e ex-colónias dos anos 50 a 70 do século XX. Destaque para as operações militares, documentos NATO, informações sobre a situação político-social nomeadamente perintreps, supintreps e sitreps, e informações, entre outros e relativos à NATO. As informações de carácter financeiro bem como os processos relativos aos orçamentos privativos das Forças Armadas, com incidência nos ultramarinos são bastantes numerosos, dado que a preparação e execução dos orçamentos militares do Exército, da marinha e Aeronáutica e do orçamento da defesa civil eram coordenados pelo ministro da Defesa nacional, que repartia pelos departamentos respetivos as verbas atribuídas a despesas com a defesa nacional. Contém também informações relativas à participação de Portugal na NATO e sobre armamento e equipamento utilizado pelas Forças Armadas.
O fundo do Gabinete do Ministro da Defesa Nacional é constituído por documentação relativa a cerimónias, comemorações, visitas, processos de disciplina e justiça, condecorações, desporto, relações com o Conselho Superior Militar, com o Conselho de Ministros, com o Conselho Superior de Defesa Nacional e Conselho Aeronáutico; assuntos do Gabinete nomeadamente ordens de serviço, correspondência, pessoal, despesas, pareceres jurídicos, legislação e informações da PIDE; relações com o Ministério do Exército, Ministério da Marinha e Secretaria de Estado da Aeronáutica; exercícios e manobras NATO; segurança externa e interna; embaixadas e relações com os adidos; planos gerais de defesa; organização de pessoal a nível do Exército metropolitano e da Aeronáutica; orçamentos suplementares de defesa e extraordinários.
O Fundo da CMLA é constituído por processos das reuniões da comissão incluindo as conversações luso-alemãs, processos dos Serviços Centrais de Ligação Alemães em Portugal (SCLAP) posteriormente designados por Delegação Militar Alemã em Portugal (DMAP), e que tinham competência para tratar de todos os assuntos relacionados com o estacionamento, deslocação de unidades militares e serviços da Forças Armadas Alemãs e respectivas instalações em território português, enquanto serviços do Ministério Federal da Defesa Alemão. Destaque para os processos da construção da Base Aérea 11, em Beja, nomeadamente projectos, estudos e planos de construção, despesas e contas correntes, relatórios de actividades da Direcção de Obras da BA11, construção do Bairro Residencial de Beja e do Hospital Militar de Beja e processos de recuperação de militares mutilados no Hospital Militar de Hamburgo. Realça-se também o Projecto “Turista” para concessão de facilidades militares na Península de Tróia, a instalação do Depósito dos Castelões no Norte de Portugal, a utilização do Campo de Santa Margarida e do Campo de Tiro de Alcochete e o Projecto “Triton” em Alverca para manutenção de material aeronáutico. Contém também processos relativos à cedência de material para as Forças Amadas Portuguesas e contratos de fabrico de material de guerra pela indústria portuguesa para a República Federal da Alemanha, designadamente material aeronáutico, naval, transmissões, munições e armas ligeiras.
A 5ª DIVISÃO/EMGFA é constituída por processos relativos a ação da Divisão no processo de dinamização cultural e ação cívica através da CODICE - Comissão de Dinamização Central e das CODIRES - Comissões de Dinamização Regionais nomeadamente dos Açores e Madeira, Comissão Norte com destaque para a campanha Maio-Nordeste em Trás-os-Montes e campanha Ação Verdade no Minho, no Comissão Centro com as comissões distritais de Coimbra, Guarda, Leiria e Aveiro; Comissão Lisboa, Comissão Sul com as campanhas do Alentejo em Beja, Portalegre, Elvas e Estremoz; e Comissão Faro com as atividades no Algarve através das distritais de Faro, Portimão, Tavira e Lagos. Para além destes processos, ressalvamos as séries de correspondência recebida de particulares e de entidades oficiais sobre diversos assuntos para os quais se pedia a intervenção das Forças Armadas, em geral, e da 5ª Divisão, em particular. Dos assuntos tratados destacam-se as informações militares com relatórios da 2ª Repartição do EME, da 2ª Divisão do EMGFA e COPCON; partidos e propaganda política, situação social e espírito das populações, sindicalismo e relações laborais, ultramar e assuntos das províncias e relações internacionais incluindo o relatório diário da situação sociopolítica da Guiné. A nível da imprensa surgem os processos com recortes de notícias e transcrições de artigos da imprensa nacional e estrangeira sobre a situação política de Portugal e da ação do MFA e um conjunto de artigos sobre política internacional, no período de 23 de setembro a 2 de Outubro de 1974, das agências noticiosas France Press e Reuter.
Este fundo é constituído por documentação produzida pelo SIPFA, nomeadamente normas de execução permanente, boletins e comunicados e notícias a difundir pelo serviço, planos de informação pública a nível da imprensa, rádio e televisão/cinema; relações com outras entidades e departamentos do Estado, caso dos ministérios, Movimento Nacional Feminino, Cruz Vermelha, Liga dos Combatentes e em especial com as Forças Armadas. A nível da política de informação destaque para as relações com a censura e faltas cometidas pelos órgãos de informação, relatórios de imprensa do SNI e do CITA, boletins do Serviço de Escuta da Legião Portuguesa, boletins de informação do Estado-Maior do Exército e reuniões do Conselho Coordenador de Informação Pública; escutas-rádio da Rádio Portugal Livre e Rádio Voz da Liberdade, comunicados do inimigo, atividade subversiva, propaganda e ação psicológica. Nos processos de política ultramarina, predominam a análise de imprensa e rádio das províncias ultramarinas (Guiné, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique, Timor e Macau), boletins informativos, comunicados e relatórios do ponto de vista militar e político, com destaque para os movimentos de libertação africanos, incidentes e violações de fronteiras com países vizinhos, política seguida e relações com os países vizinhos e desenvolvimento económico-social das províncias e contribuição das Forças Armadas. Neste âmbito, destaque para a documentação da Índia Portuguesa com as emissões radiofónicas para os prisioneiros e relações de pessoal, prisioneiros e feridos das Forças Armadas da Índia. No âmbito do ultramar, surge um conjunto de processos com informação relevante sobre baixas, nomeadamente estatísticas e sitreps (relatórios de situação) da Guiné, Angola e Moçambique sobre mortos, feridos e desaparecidos; pedidos de informação sobre militares com situação não definida, relações de mortos e feridos, comunicação de falecimentos e feridos, relações de internamento nos hospitais militares e evacuação para a metrópole; processos de desaparecidos, prisioneiros e desertores e pensões e subvenções. Em termos internacionais, os processos existentes centram-se sobretudo nas relações de Portugal com a ONU, OUA, NATO, alianças e acordos militares, reuniões dos Estados-Maiores Peninsulares e relações com a Espanha e na análise da imprensa a nível das atividades militares, políticas e económicas dos países mediterrânicos; Europa (bloco ocidental e oriental) e relações leste-oeste; África com destaque para as relações com a República da África do Sul e Rodésia; Ásia e relações entre a URSS e a República Popular da China; Oceânia incluindo a Indonésia; América do Norte e suas relações com a URSS, China e Ocidente; América Central e do Sul com destaque para o Brasil. Contém ainda processos sobre visitas de jornalistas e altas entidades estrangeiras a Portugal e ao ultramar incluindo pedidos de autorização e transporte de tropas para o ultramar, incluindo movimentos de navios e aviões.
Contém contrato para fornecimento de granadas de mão.
Contém correspondência trocada e condições técnicas para o fornecimento das peças metálicas para a granada de mão.