Data source

Thumbnail

Search results

152 records were found.

Revólver com aparelho de pontaria de linha de mira axial com ranhura em U e ponto de mira de secção triangular. Arma ordinária de retrocarga de tiro de repetição.
Capacete de copa canelada, fabricado em metal de baixa resistência, foi produzido em Birmingham no ano de 1916 e viria a ser escolhido para equipar o Corpo Expedicionário Português. Referido por vezes na época como "chapéu de aço", este tipo de capacete seria designado após a Grande Guerra como "modelo 1916".
Carabina de Caçadores com culatra de ferrolho, com cabeça móvel e funcionamento por escorregamento e rotação. Possuí um carregador tubular, com capacidade para seis munições ao longo do fuste sob o cano. Possuí três braçadeiras sendo uma delas para fixação da baioneta e outra para colocação da bandoleira. O aparelho de pontaria é constituído por uma alça de ranhuras múltiplas com um cursor graduado dos 200 aos 1500m e um ponto de mira com secção triângular.
Carabina de Repetição com carregador tubular. Possuí duas argolas, uma na coronha e outra sob o carregador, para colocação de bandoleira. (estas duas peças foram colocadas à posteriori) .Aparelho de pontaria constituído por alça de ranhura simples em v e ponto de mira em u. foi-lhe retirada uma peça de secção rectangular que era o ponto de mira.
Escultura em bronze representando D. Afonso Henriques montado num cavalo num só volume.
Bússola com caixa e tampa em plástico em forma de quadrado, fixa numa das extremidades por uma dobradiça que fecha em forma de caixa. A base comporta uma cápsula com tampa de vidro graduada reforçada com um aro de plástico aparafusado à mesma. Possuí agulha mágnética e uma seta indicando o Norte. A Tampa possuí um espelho recortado nos quatro cantos do quadrado e aparafusado. Possuí um aro de suspensão.
Gravura aguarelada representando Napoleão trajando um hábito acastanhado. Na mão esquerda empunha um cajado e na mão direita uma caveira. Sobre as suas costas pende um chapéu preto. A figura, de pé, encontra-se à beira mar, vendo-se no horizonte dois navios.
Punhal-baioneta composto por lamina de um só gume com goteira central. Punho em madeira com encaixes para a arma.
Obús calibre 114 mm de tiro rápido.Munições de 16Kg (granada explosiva). Campo de tiro horizontal/vertical - (-5º a + 15º). Alcance de 640m a + 45º. Tracção hipomóvel. Ficou conhecido como Bonifácio.
Carabina de Repetição com carregador tubular menor que o cano e culatra em latão dourado. Manobrador da culatra constituído por uma alavanca que roda sobre um eixo por debaixo do gatilho e patilha de segurança. Possuí três braçadeiras ao longo do cano e duas argolas, uma na coronha e outra no cano, para fixação da bandoleira. Aparelho de pontaria constituído por alça de ranhuras multiplas com cursor e ponto de mira de secção triangular.
Equipamento óptico destinado a determinar distâncias e direções a alvos sobre a superficie do mar. A ampliação do óculo do telémetro é 25 vezes superior à grandeza angular observada à vista desarmada. O campo do óculo é graduado em milésimos.
Sabre de oficial superior português do período pós Guerra Peninsular (1815-1834). Guarnições em latão dourado, com capacete decorado com resplendores. Guarda-mão e orelhas cinzelados com folhas de acanto. Punho em chifre, com filigrana de cobre. Lâmina curva de um só gume, com meia cana. Bainha em latão dourado com duas argolas de suspensão.
Cartucho desmilitarizado constituído por projectil e invólucro metálico de percussão central com a base em garganta.
Carabina inglesa, de cano estriado, conhecida por Baker, derivado do nome do seu inventor, o armeiro Ezekiel Backer. Esta arma originalmente de pederneira foi convertida em Portugal, no Arsenal do Exército, para o sistema de percussão. Os parafusos têm o punção AE, o cão é de mosquetão francês modelo 1822T, platina com a punção GR coroado (George Rex, Rei Jorge III de Inglaterra) no pé da platina a punção Tower denotando a manufactura da Torre de Londres e a punção de propriedade do exército inglês, no cano tem as punções de vistoria e prova da Torre de Londres.
Esta espingarda de tiro múltiplo por sistema de tambor rotativo, dito de revólver, caracteristicamente portuguesa nos seus componentes e datável da primeira metade do século XVII, é extremamente rara. Trata-se muito provavelmente de uma arma de caça. Estes exemplares de caça, de sistemas engenhosos, encerravam frequentemente em si a esperança do inventor de que fossem adotadas militarmente o que raramente acontecia. O tambor, com seis câmaras (6 tiros), era rodado manualmente e o grande problema do perfeito alinhamento da câmara com o cano era resolvido, nesta arma, de uma forma astuciosamente simples, por uma mola sobre o cano que encaixa no respectivo entalhe do tambor, imobilizando-o perfeitamente alinhado. Também o sistema de cassoletas deslizantes longitudinalmente, ao invés das tradicionais, que rodam em torno de um eixo transversal, é igualmente inventivo, sendo a única arma conhecida a utilizar este sistema. O fecho é português do tipo de anselmo. As armas de repetição do tipo revólver só se viriam a generalizar nos meados do século XIX, com o sistema de ignição por percussão.
Obús de calibre de 88mm. Possuí plataforma circular. Faz tiro empregando munições de carga variada (granada explosiva 11,3 Kg e granada de fumos). Tem alcançe de 12250 metros a + 44º. Tracção por tractor de rodas.
Metralhadora pesada. Linha de mira lateral. Alça retilinea com cursor e ranhura em U, graduada em centenas de jardas de 0 a 26. Ponto de mira de secção retangular.Fita com duas tiras em linho de 0,40m de largura e 6,30m de comprimento.Possuí tripé.Alça em couro junto ao manipulo de disparo.
Barrete de campanha 2-G, constituído por copa, pala e cobre nuca. A partir de Agosto de 1961 entrou em uso generalizado pelas tropas o uniforme de campanha camuflado. Este uniforme designado como 2-G incluia um novo barrete camuflado com um cobre nuca e dois tapa orelhas que podiam ser fixados na copa. Em 1963 foi abolido o uso deste barrete sendo substituido por um modelo anterior, o barrete 2-C mais conhecido como "quico".
Espada de copos de tigela simples. Pomo periforme com botão. Punho em chifre estriado. Terminais dos quartões e do guarda-mão com botões espalmados. Guarda-mão com pequena pérola espalmada na zona média. Lâmina larga de dois gumes e goteira central com inscrições, no anverso "MIN SINAL HES", no reverso "EL SANTISSIMO CRUCIFICIO".
IImpresso com a canção patriótica (Porto impressa da Granda 1822).
Espingarda com culatra de ferrolho de cabeça móvel e funcionamento por escorregamento e rotação. As munições são introduzidas no depósito central fixo de forma individual ou com apoio de uma lâmina de carregamento. A alimentação é efectuada por acção da mola laminar do depósito. O aparelho de pontaria é constituído por um alça de ranhura simples de quadrante com cursor e apoios curvos graduada de 1 a 20 hectómetros. Ponto de mira de secção rectangular. O depósito é fixo e central com capacidade para cinco munições. Possuí na coronha e no cano aros de fixação da bandoleira.
Sabre com guarda em ferro, guarda-mão demeia roca, com motivos vegetalistas e fenda para o fiador. Punho em pele de peixe, com filigrana em latão e virola de ferro.Lâmina curva de meia cana com um só gume e contra gume no terço inferior.
Espada com punho de marfim e furador para passagem do fiador. Guardas em cruz de metal amarelo dourado, cinzeladas com folhas, vulutas e o emblema do Estado Maior (uma espada cruzada com um óculo, envolvidas por uma coroa de louros), quartões rectos terminando em botão. Lâmina curva de um só gume, excepto à ponta, goteiras em quase todo o seu comprimento gravadas com folhas, vulutas e troféus de armas.
Sabre com capacete de ferro e guarda-mão de varetas, punho de madeira de ébano com caneluras e enrolamento de arame de cobre entrançado. Lâmina curva de um só gume com contra-gume no terço inferior, goteira em quase todo o seu comprimento.
Arcabuz estriado de fecho de roda do 1º quartel do Séc. XVIII.