Data source

Thumbnail

Search results

20 records were found.

Camisa de campanha, camuflada, modelo 1963. Empregue por militares portugueses na Guerra Colonial africana (1961-1974).
Binóculo, TAYLOR-HOBSON, de fabrico inglês. É composto por um par de tubos, interligados por um sistema articulado. Cada tubo possui uma lente objetiva (mais próximo do objeto a ser visto) e uma lente ocular (próxima dos olhos). Nas lentes oculares existem dois reguladores. Possui uma alça de suspensão em lona, com duas fivelas de ajuste de comprimento, fixa ao binóculo.
Cantil, da Grande Guerra (1914-1918), em esmalte, com tampa em cortiça. Possui copo, também em esmalte, e correias com fivelas de ajuste para transporte a tiracolo. Modelo utilizado pelas tropas portuguesas na frente europeia ocidental (Flandres).
Capacete de Oficial de Caçadores a Cavalo, feito em couro, latão, prata e tecido. É composto por: copa, pala, cobre nuca e uma faixa de reforço da copa em couro, envernizados a negro. A chapa, a cruzeta, o espigão, as guarnições,o francalete (forrado a tecido) e três cabeças de leão são de metal amarelo. O monograma, com o número do Regimento e as respetivas Armas, são de prata. Possui forro em tecido e couro, no seu interior.
Algemas (par), tipo americano, cromadas, com dois elos de ligação e duas chaves.
Bússola prsimática, Modelo (m/) 1932. É composta por caixa metálica, de cor preta, com a Rosa dos Ventos. Está graduada de 0 a 36 e tem uma tampa com óculo de vidro, unidos por uma dobradiça. Dispõe de uma cápsula, com tampo de vidro graduado, e de um ponto em forma de (pequeno) retângulo. Possui: um disco magnético com dois tipos de numeração; uma seta; um aparelho de pontaria; e uma argola de suspensão.
Soldadinho assente numa base hexagonal verde. Calça umas botas pretas. Para cima veste um dólmen verde e vermelho, para baixo veste umas calças verdes. Tem uma barretina verde com um penacho preto e amarelo na cabeça. À cintura tem uma espada do lado esquerdo. As mãos estão a segurar um mapa junto ao corpo.
Cota de malha, de finais do século XV a princípios do século XVI, ou veste de malha, de ferro, usada sob o laudel ou sobrecota, e destinada a proteger o corpo dos golpes de armas brancas, em especial durante a Idade Média.
Peito de couraça, de Infante, em ferro forjado, de meados do Séc. XVII, de fabrico português.Forjado de uma só peça, liso com aresta central e rebordo no pescoço e axilas. Dispõe de dois botões, para ligação aos francaletes, e duas travincas laterais, para passagem do cinto de união com as costas.
Telémetro, Estereoscópio, WILD 0,80, Modelo (m/) 45, instrumento pelo qual se faz a medição rápida de distâncias. Pode ser utilizado apoiando-o sob o tripé ou sob um suporte adaptável aos ombros do telemetrista. Para alvos fixos, emprega-se de preferência o tripé. O telémetro tem na parte superior do campo aparente uma estadia graduada em milésimos verdadeiros, que permite, juntamente com a escala das distâncias, determinar a frente, em metros, de um objetivo militar.
Anemómetro, portátil, DALOZ, de pêndulo com um arco graduado. O pêndulo em repouso fica na posição vertical e inclina-se quando o vento fica mais forte, até atingir uma posição de equilíbrio. A velocidade do vento pode ser lida diretamente no arco.
Carabina de Artilharia, Modelo (m/) MINIÉ, calibre 14mm, de fabrico português, de 1860. Esta carabina resulta do recalcamento dos canos de 19mm para 14mm, estriados, com três estrias progressivas com um passo de 2mm para bala expansiva MINIÉ. O carregamento fazia-se pela boca do cano, com cartucho de papel e bala expansiva. O aparelho de pontaria é constituído por um ponto de mira e uma alça de livrete de três pontarias, sem indicação de distâncias.
Relógio, de bolso DAMAS, Modelo (m/) 43, com caixa em metal . Possui uma argola de suspensão no interior, da qual se encontra o botão de corda. O mostrador é numerado de 1 a 12, sendo que os números 9 e 12 são fluorescentes, assim como os ponteiros das horas e dos minutos. Possui ainda, na parte inferior do mostrador, um conta segundos em círculo, com os números: 10, 20, 30, 40, 50 e 60.
Cartucheira, com distintivo de Cavalaria, feita em couro, tipo caixa, de cor vermelha e tampa a preto, do lado exterior. A tampa é decorada com galão dourado, moldura em metal dourado com motivos vegetalistas e ao centro estão dois sabres cruzados, simbolizando a Cavalaria. Possui fecho em botão e nas extremidades há reforços em latão dourado, com dois aros de prender.
Transferidor, em madeira, semicircular, de 32cm, com graduação em graus. Utilizado no cálculo de tiro, pela Artilharia.
Capacete britânico, modelo MK1, de 1916, em aço, de aba larga com proteção no interior e correia com fivela justável, presa ao interior por duas chapas com prego de rebite. Após a Grande Guerra (1914-1918), o capacete MK1 será designado no Exército Português por «modelo 1917».
Capacete britânico, Modelo (m/) MK1-1916, em aço, de aba larga, com proteção no interior e correia com fivela justável, presa ao interior por duas chapas com prego de rebite. Após a Grande Guerra (1914-1918), o capacete MK1 será designado no Exército Português por «capacete - modelo 1917».
Banda, de Oficial de Infantaria, com bolas de prata, de 1820.
Granada de mão defensiva, Modelo (m/) 963, em corte. Tem a forma de barril e é constituída por um corpo metálico, uma bainha e uma espiral de fragmentação. Esta espiral, por sua vez, é constituída por uma mola de aço, em forma de barril, e de dimensões um pouco inferiores às do corpo da granada. Possui cavilha, alavanca de segurança, detonador, porta-cápsula e corpo. É uma arma de arremesso e de tiro curvo, destinada ao combate próximo, batendo ângulos mortos e empregue contra pessoal, limpeza de abrigos, ninhos de metralhadoras, entre outros fins.
Carabina Mannlicher, de Cavalaria, Modelo (m/) 1896, calibre 6,5mm, com culatra de ferrolho, cabeça móvel e funcionamento por escorregamento e rotação. O extrator é de garra com mola. O percutor encontra-se no interior da culatra e é armado no movimento de rotação de abertura da culatra. O aparelho de pontaria é constituído por uma alça de ranhura simples, com cursor graduado dos 250 aos 1800m. O ponto de mira é de secção triangular. As munições são introduzidas num carregador que é posteriormente colocado no depósito central fixo. Possui dois fixadores, um na coronha e outro a meio do cano, para colocação de bandoleira, e uma vareta manual.